Mostrando postagens com marcador Atualidades. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Atualidades. Mostrar todas as postagens

sábado, 6 de abril de 2019

"TEORIA MALTHUSIANA" DO CHOCOLATE

Será o fim do chocolate ?
Alta demanda e falhas na produção de cacau podem fazer com que o doce mais popular do mundo se torne uma raridade em 20 anos

Imagem: Istoé

segunda-feira, 25 de março de 2019

MUSEU DE AUSCHWITZ PEDE A VISITANTES QUE NÃO ANDEM SOBRE OS TRILHOS


Museu do antigo campo de concentração pede que visitantes evitem tirar fotos se equilibrando nos trilhos da ferrovia pela qual foi transportada mais de 1 milhão de vítimas do Holocausto.


O memorial e museu do antigo campo de concentração de Auschwitz-Birkenau pediu aos visitantes que respeitem a memória dos 1,1 milhão de pessoas que foram mortas no local durante o regime nazista.
A instituição pediu aos turistas que evitem se equilibrar sobre os trilhos da ferrovia por onde chegavam os trens que transportaram as vítimas do Holocausto.
"Quando você chegar ao @AuschwitzMuseum, lembre-se de que você está no local onde mais de 1 milhão de pessoas foram mortas. Respeite a memória deles. Há lugares melhores para aprender a andar sobre uma trave do que no local que simboliza a deportação de centenas de milhares de pessoas para as suas mortes" , escreveu o museu no Twitter, que também postou algumas fotos feitas por turistas caminhando sobre os trilhos.

O Auschwitz Museum afirmou mais tarde, em outra postagem, que não vai proibir fotografias no local, mas pediu aos visitantes que "se comportem com respeito, também quando estiverem tirando fotos".
Nos últimos anos, um número cada vez maior de visitantes dos campos de concentração e outros memoriais do Holocausto vêm sendo criticados por tirar selfies e outros tipos de fotografias nas quais se mostram alegres.
O campo de concentração Auschwitz-Birkenau, localizado no sul da Polônia, foi o maior centro de extermínio do regime nazista. Dos 1,1 milhão de pessoas que perderam suas vidas ali, 1 milhão era de judeus. Quase 40% dos prisioneiros registrados eram poloneses.
Após o fim da Segunda Guerra Mundial, um memorial foi erguido dentro do antigo campo de concentração. A área de 192 hectares compreende a parte principal do campo de Auschwitz e o campo de extermínio Auschwitz-Birkenau, com cerca de 150 edifícios e 300 ruínas.
O local foi declarado patrimônio mundial da Unesco em 1979. No ano passado, Auschwitz recebeu um número recorde de 2,1 milhões de visitas. A maior parte dos turistas vem da Polônia, Reino Unido, Estados Unidos, Itália, Espanha e Alemanha.

Fonte: DW

quinta-feira, 21 de março de 2019

AS CIDADES DEVEM PENSAR NAS ÁRVORES COMO UMA INFRAESTRUTURA DE SAÚDE PÚBLICA

 

Plantar árvores é uma forma de melhorar a saúde das pessoas, e uma medida muito fácil e barata de se tomar. As árvores, além de embelezar uma cidade, proporcionam ar fresco e limpo. Por isso deveria se pensar nelas como uma infraestrutura de saúde pública.

Todas as pessoas deveriam poder respirar ar puro. Isso deveria ser possível também nas grandes cidades. As árvores não só ornamentam as ruas como ajudam a manter a saúde física e mental dos seus habitantes, ajudando a criar um ambiente mais saudável.

A organização The Nature Conservancy questiona por que não são incluídos esses conceitos nos orçamentos governamentais direcionados à saúde pública.

Esta organização elaborou recentemente um documento que explica com cifras as razões pelas quais se deve mudar o paradigma das verbas públicas, para incluir o investimento em criação e manutenção de áreas verdes nos gastos de saúde.

Para elaborar este documento usou-se o exemplo dos Estados Unidos, já que nesse país se dedica apenas 1% do seu orçamento para o plantio e manutenção das áreas verdes – e somente um terço disso é realmente investido. Como consequência, as cidades do país norte-americano perdem cerca de 4 milhões de árvores por ano.

Este é um documento oficial que detalha o problema, suas causas, conceitos e as soluções para lutar contra ele.

Se estima que com uma média de 8 dólares por pessoa em cada ano seria possível impedir a perda de árvores no país.

Também seria possível aumentar o aproveitamento dos benefícios que elas geram. O número não sugere o valor, senão apresenta uma mostra de que esse investimento necessário também é possível.

Investimento verde diminuindo

Com respeito aos investimentos, o informe indica que, atualmente, os municípios estão gastando menos com o plantio e o cuidado das árvores, em comparação com o que era gasto em décadas anteriores.

A falta ou presença de árvores em um local muitas vezes está ligada ao nível de renda de um bairro. Isso também cria uma enorme desigualdade nas cifras de saúde.

Nos Estados Unidos, a diferença nas expectativas de vida entre bairros de uma mesma cidade que estão próximos geograficamente pode chegar a ser de até uma década.

Embora a diferença nos índices de saúde não tem a ver somente com a questão das árvores, os investigadores asseguram que os bairros com menos áreas verdes têm piores resultados com relação à saúde de seus residentes. Desta forma, é possível concluir que a desigualdade urbanística pode se refletir em piores níveis saúde.

Entretanto, há outras cidades (como é o caso de Londres) ou países (como é o caso da China ou da Nova Zelândia) onde existe sim uma preocupação em promover o reflorestamento de forma mais massiva.

Medidas para aumentar as áreas verdes numa cidade

O documento propõe uma série de conselhos que podem ser usados pelo poder público e privado, entre os quais estão os seguintes:

Implementar políticas que incentivem o semear de árvores, seja por iniciativa privada ou pública.

Intercâmbios municipais que visem facilitar a colaboração de organismos de saúde pública e agências ambientais.

Relacionar o financiamento de árvores e parques a objetivos e metas das políticas de saúde pública.

Educar a população sobre os benefícios das áreas verdes para a saúde pública, e também sobre o impacto econômico das mesmas.

*Publicado originalmente em EcoInventos | Tradução de Victor Farinelli

Fonte: CartaMaior

domingo, 17 de março de 2019

#TRASHTAG CHALLENGE: O DESAFIO ONLINE QUE ESTÁ LEVANDO INTERNAUTAS A RECOLHEREM LIXO EM LOCAIS PÚBLICOS

Não é sempre que uma hashtag viraliza para além das redes sociais.
Mas um desafio online que estimula participantes a recolher lixo de locais públicos tem levado dezenas de milhares de pessoas a fazer exatamente isso.
No chamado "Trashtag Challenge" - algo como hashtag "Desafio do Lixo", em português - os participantes escolhem um lugar poluído, limpam esse local e postam fotos mostrando o antes e o depois.
A iniciativa tem ajudado a mudar o cenário em praias, parques e estradas e também a conscientizar sobre a quantidade de lixo plástico que produzimos.

Como surgiu o Trashtag Challenge

O Trashtag Challenge não é um desafio novo. Foi criado em 2015 pela fabricante de produtos de camping UCO Gear, como parte de uma campanha para proteger áreas silvestres.
Mas foi com um post publicado na semana passada no Facebook, voltado a "adolescentes entediados", que aparentemente a ideia ganhou novo fôlego e a hashtag acabou viralizando.
"Aqui está um novo #desafio para vocês, adolescentes entediados. Tire uma foto de uma área que precise de alguma limpeza ou manutenção, depois tire uma foto mostrando o que fez em relação a isso e poste a imagem. Aqui estão as pessoas fazendo isso #BasuraChallenge #trashtag Challenge, junte-se à causa. #BasuraChallengeAZ", diz a postagem.


E quais serão os rumos dessa história?
"Tirar o plástico do meio ambiente é importante", disse Mark Butler, diretor de políticas do Centro Canadense de Ação Ecológica (EAC, da sigla em inglês), ao jornal Star de Halifax.
"Mas nós precisamos fazer mais do que apenas ir atrás de quem está jogando esse lixo e mais do que limpar essas áreas. Nós precisamos fechar a torneira do plástico", disse ele, se referindo à produção desse tipo de resíduo e acrescentando que espera que a campanha leve a mudanças fundamentais sobre plásticos descartáveis, por exemplo.
"Existe a hierarquia dos resíduos, que é recusar, reduzir, reutilizar, reciclar. Se nós não fizermos isso, tudo o que vai nos restar é ficar recolhendo o lixo sem parar."

Fonte: BBC

quinta-feira, 14 de março de 2019

VIENA É A CIDADE COM MELHOR QUALIDADE DE VIDA DO MUNDO

Capital austríaca recebe o título pela décima vez consecutiva. Ranking é dominado por cidades da Europa Ocidental, enquanto Caracas despenca na lista como a cidade mais insegura das Américas.



Viena foi nomeada neste ano mais uma vez a cidade com maior qualidade de vida do mundo, segundo pesquisa publicada nesta quarta-feira (13/03). É a décima vez consecutiva que a capital austríaca lidera o ranking elaborado pela consultoria Mercer.
Criada para auxiliar organizações internacionais a determinar níveis salariais para funcionários expatriados, a lista de 231 cidades é baseada em 39 critérios, como moradia, estabilidade política, crime, lazer, poluição do ar, infraestrutura, sistema de saúde, educação e economia.
Viena é uma das oito cidades europeias que aparecem no top 10 da lista. Em segundo lugar está Zurique, a maior cidade da Suíça, enquanto a terceira colocação foi dividida por Munique, na Alemanha, Vancouver, no Canadá, e Auckland, na Nova Zelândia. 
A sexta e a sétima posições ficaram com a Alemanha: Düsseldorf e Frankfurt, respectivamente, seguidas por Copenhague, na Dinamarca, e Genebra e Basileia, na Suíça.
As cidades que ocuparam as cinco melhores posições no ranking são as mesmas da última edição. A única alteração foi Vancouver, que subiu da quinta para a terceira colocação.
Paris ficou em 39° lugar, embora o estudo, conduzido entre setembro e novembro de 2018, não tenha levado em consideração os protestos dos "coletes amarelos", que durante vários sábados paralisaram regiões da cidade.      
As cidades que ocuparam o outro extremo da tabela também se repetiram. A cidade com pior colocação foi a capital do Iraque, Bagdá, apesar dos avanços em saúde e segurança identificados pela consultoria. Bangui, capital da República Centro-Africana, ficou em penúltimo lugar, e Sanaa, capital do Iêmen, ficou uma posição acima.
Uma das grandes mudanças foi Caracas, já que a Venezuela sofre com hiperinflação, escassez de itens básicos e crise política. Segundo destacou a Mercer, Caracas "viu os padrões de vida caírem por significativa instabilidade política e econômica".
A capital perdeu nove posições em qualidade de vida, ocupando o lugar 202, além de cair 48 posições, considerando apenas o critério segurança, e se tornar a cidade menos segura das Américas, na posição 222.
Na América do Sul, Montevidéu novamente liderou o ranking, na 78ª posição. Aparecem no top 5 da América do Sul, atrás da capital uruguaia: Buenos Aires (91), Santiago (93), Brasília (107) e Assunção (115). A qualidade de vida em cidades-chave da região se manteve similar, como nos casos de Buenos Aires, Santiago e Rio de Janeiro (118).
O Brexit não causou grandes alterações nas cidades britânicas. Londres permaneceu como a mais bem classificada geral, em 41° lugar, apesar de figurar no último posto no Reino Unido no ranking que considera o item segurança pessoal.
Dublin, classificada como mais segura do que qualquer cidade britânica, subiu uma posição e ficou em 33ª, logo acima de São Francisco, cidade americana com melhor colocação no ranking.
Segundo a consultoria, todas as cidades dos Estados Unidos incluídas na análise caíram no ranking neste ano, com exceção de Nova York, que subiu uma e chegou à 44 ª. O motivo é a queda na taxa de criminalidade na cidade.
Na Ásia, Cingapura foi a cidade com melhor qualidade de vida, na 25ª posição, seguida pelas cidades japonesas Tóquio e Kobe. Hong Kong ficou em 71º, e Seul em 77º.

Fonte: DW

quarta-feira, 13 de março de 2019

A GEOMEDICINA QUER SABER ONDE VOCÊ MORA

Whether you live in the city or the countryside can affect your health and susceptibility for disease.
Viver na cidade ou no campo pode afetar sua saúde e susceptibilidade para doenças


    Em 1854, um médico Inglês chamado John Snow identificou um surto de cólera em Londres em virtude de uma única bomba d'Água  contaminada. Este pioneiro da epidemiologia moderna, fez uso de informações sobre onde as pessoas doentes viviam e deduziu que estavam bebendo água contaminada a partir dessa fonte.

   Usar pistas sobre a localização dos povos é uma ferramenta importante na saúde pública, com isso os cuidados com os pacientes podem ser muito mais pessoais e específicos. 

     "A medicina personalizada tem sido tão importante quanto a genômica," diz o Dr. Rishi Manchanda. Em seu discurso ele complementa que " Nós não somos apenas criaturas de nossos genes,  somos criaturas de nosso meio ambiente."

    Parece óbvio, mas muitos profissionais de saúde não perguntam aos seus pacientes onde vivem, como parte de sua investigação diagnóstica. 

   Alguns pesquisadores e profissionais da saúde estão chamando o uso de mapeamento na área da saúde de "Geomedicina" em parte devido a Bill Davenhall, considerado o pai deste segmento. Os dados clínicos são responsáveis por apenas 10% dos fatores que determinam a saúde de uma pessoa, diz Davenhall.

    A ideia do lugar influenciando a saúde é tão antiga quanto Hipócrates, diz a Dra. Estella Geraghty, diretora médica da Esri,  empresa de sistema de informações geográficas. Diz ela, que tem sido uma grande mudança os médicos perguntarem onde os pacientes vivem. "As pessoas estão começando a pensar, 'Oh, eu não tinha pensado sobre como poderíamos usar essa informação", completa. 

    Trabalhando em uma pequena clínica em South Central Los Angeles, Manchanda e pesquisadores geocodificaram 54.000 registros de pacientes com base em seus endereços residenciais. Os pesquisadores sobrepuseram mapas de pessoas com asma ou diabetes em mapas de dados públicos de habitação, tais como violações do código de habitação.

     Os mapas mostraram os principais pontos onde a duas enfermidades ocorreram. A asma foi mais prevalente em casas em que eram infestadas por mofo, enquanto o diabetes apareceu em bairros que seus moradores tiveram dificuldades de acesso a alimentos saudáveis e feiras de alimentos orgânicos. 

     Manchada diz que os dados podem ajudar os profissionais de saúde em clínicas locais a tomar melhores medidas preventivas para os pacientes.

       Por exemplo, o médico pode dizer a um paciente para ficar com familiares ao deixar o hospital após um ataque cardíaco, em vez de ir para casa perto de uma auto-estrada, onde a poluição e o barulho podem ser prejudiciais à sua reabilitação.

   O último exemplo vem de Ted Smith, que busca novas iniciativas tecnológicas para o Governo de Louisville. Ele está trabalhando com um grupo chamado Propulsor de Saúde para coletar dados sobre os pacientes asmáticos da cidade, incluindo quando e onde eles usam seus dispositivos inalatórios. As reinternações, diz ele, poderiam ser reduzidas apenas verificando em que lugar o paciente vive, mas como em medicina preventiva, é difícil dimensionar o valor que clínicas e hospitais podem economizar usando tecnologia de mapeamento, este campo ainda não tem atraído muita atenção.

terça-feira, 12 de março de 2019

EXISTE ALGUM LUGAR DO PLANETA QUE AINDA NÃO FOI POLUÍDO?

Em algum momento entre 1,8 milhão e 12 mil anos atrás, nossos ancestrais dominaram a técnica de criação do fogo. O ato é um marco na história da humanidade, pois a possibilidade de cozinhar, se aquecer e criar ferramentas deu um impulso enorme ao progresso coletivo.

Mas esse conhecimento também marcou o começo da poluição criada pelos humanos.

Há várias formas de poluição natural, como a erupção de vulcões, mas a maior parcela de contaminação do planeta hoje é gerada por nós.
Os rastros de poluição são visíveis em quase todos os cantos do planeta: há lixo solto no deserto de Gobi, nas praias do Pacífico e nas neves do Everest.
Mas o planeta sendo tão vasto, será que não existem lugares incólumes à contaminação?


Céu e terra

A poluição do ar acontece de diferentes formas. Uma das piores é o ozônio, que se forma de uma reação entre óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis produzidos por carros e fabricas.
Os danos desta poluição são enormes. Só na Índia, perde-se US$ 1,2 bilhão em colheitas por ano devido à poluição causada pelo ozônio. Estima-se que um milhão de pessoas morram de doenças decorrentes deste tipo de poluição.
O problema da poluição do ar é que é impossível fugir dela mesmo ao se afastar da sua fonte. Massas de ar transportam poluição por toda parte do planeta.

China, a grande poluidora.
"O que observamos com muita frequência é que a poluição começa em um lugar e acaba em outro lugar muito distante", diz David Edwards, do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica do Sistema Terrestre, nos Estados Unidos.
Ele cita o exemplo da Malásia, que está desmatando parte de sua floresta para dar lugar a plantações de palmeiras de dendê. Quem está sofrendo com isso é Cingapura, que hoje registra vários problemas de visibilidade.
Mas há correntes que viajam bem mais longe. Incêndios de desmatamento na América do Sul e no Sul da África contaminam o ar em todo o hemisfério Sul.
Com isso, é possível dizer que nenhum ponto do planeta está imune à poluição do ar - e isso acaba contaminando o solo também.
Mas há lugares que registram ar mais limpo, se medido em partículas atmosféricas. É o exemplo do Polo Sul, o lugar mais isolado de centros populacionais do planeta e também que registra o ar mais limpo.

Lixo no Himalaia.
Mas cientistas alertam que há outros tipos de poluição que afetam mais a Antártida do que o resto do planeta. O buraco da camada de ozônio é maior nos polos, e isso faz com que manchas negras de carbono surjam na neve.
Cavernas profundas também costumam ter o ar mais limpo, desde que seu ar não tenha muito contato com o resto da atmosfera terrestre.


Rios e geleiras

Infelizmente a poluição atmosférica contamina também a água. Mas para a maioria dos cientistas, o que mais preocupa na água é a contaminação que vem do solo, com o despejo de químicos, fertilizantes e resíduos.
Em alguns casos, os nutrientes do solo são exterminados, o que diminui também o oxigênio na água, ameaçando a fauna. O exemplo mais urgente desse tipo de contaminação é o delta do rio Mississippi próximo ao Golfo do México.
Os rios continuam sendo o maior destino de esgoto não-tratado - 80% do que é gerado em casas e empresas no mundo acaba na água do planeta sem nenhum tratamento. Em lugares como Nova Déli, esse índice chega a 99% - com os dejetos despejados no rio Yamuna. Algo semelhante acontece na Cidade do México, com o rio do vale Mezquital.

Parece neve, mas é poluição. Rio Yamuna, Índia. 
Na China, mais da metade dos rios estão poluídos demais para gerar água potável. No Paquistão, o índice é de 72%. Um relatório da organização ambiental WWF aponta que a população de animais em rios caiu em 75% nos últimos 40 anos, em grande parte devido à poluição.
Como acontece com o ar, a água mais distante dos grandes centros é a mais pura. Rios e geleiras no Ártico, Antártida e Canadá são os mais intocados do planeta.

Pássaro come plástico no Havaí. 
No caso das geleiras, a água mais pura está estocada mais embaixo, pois a parte de cima já vem sendo contaminada pelo ar sujo desde os tempos da Revolução Industrial, no século 18.
Outras fontes "quase" puras de água estão na Floresta Amazônica e na Bacia do Congo, na África.


Oceanos

Os oceanos cobrem 70% do nosso planeta. Hoje estima-se que de 60% a 80% da poluição no mar tem sua origem na terra. De todos os poluentes, o pior é o plástico, que demora séculos para se decompor. Já o papel não é um grande problema, pois desaparece rapidamente.
A surpresa nos oceanos é que os pontos mais remotos estão entre os mais poluídos, graças à forma como as correntes marítimas se comportam.
Em uma região não habitada do norte do Pacífico, por exemplo, se formou algo parecido como uma "ilha de lixo". Os únicos humanos que passam pelo local são cientistas que investigam o fenômeno.

Lixo no fundo do oceano.
O fundo do mar era tido por muitos como um lugar imaculado, mas cada vez mais se descobre que isso não é verdade. A oceanógrafa Lisa Levin, do instituto Scripps, da Califórnia, faz pesquisas usando veículos controlados remotamente.
"Existe lixo humano por toda a parte. Isso deixa claro que os seres humanos são parte integral do ecossistema marinho", diz.
Mesmo em lugares remotos, há lixo como garrafas, lata, material de pesca, cordas, objetos metálicos, munição militar e sapatos.

Fonte: BBC Brasil.

domingo, 25 de novembro de 2018

ENTENDA A POLÊMICA SOBRE O BREXIT EM 11 PERGUNTAS

A União Europeia e o Reino Unido assinaram neste domingo (25) um acordo proposto pela primeira-ministra britânica Theresa May que prevê os termos do Brexit- a saída do Reino Unido do bloco regional.
A negociação para assinatura do documento dominou as manchetes dos jornais europeus nos últimos dias.
Mas o que exatamente é o Brexit? A BBC News reuniu uma série de perguntas e respostas para você finalmente entender do que trata.


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

MATA CILIAR, UMA APP

Assim como os cílios protegem os olhos, as matas ciliares são Áreas de Preservação Permanente - (APPs) e protegem nascentes, riachos, córregos, lagoas, lagos e rios, "impedindo que sujeiras sólidas, como terra, restos de inseticidas, herbicidas, fungicidas e adubos cheguem às águas". Uma página da Embrapa voltada para ciência nas escolas tem material educativo sobre o tema para crianças e adultos e explica de maneira divertida porque é importante preservar. 
Saiba mais:
Contando Ciência na Web - Embrapa: https://bit.ly/2z3ksaI

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS DE TODAS AS ETNIAS


        Há 4 anos atrás a Linguagem Geográfica esteve na festa do dia das crianças na aldeia Guarani Pinhal em Espigão Alto do Iguaçu-PR.
      Na imagem todas as crianças em fila esperando um maravilhoso lanche com direito a cachorro quente, bolo e chocolate.
FELIZ DIA DAS CRIANÇAS DE TODAS AS ETNIAS !!!

domingo, 29 de julho de 2018

HORTA COMUNITÁRIA : MORADORES DE BAIRRO NA SUÍÇA PLANTAM SEU PRÓPRIO ALIMENTO

     Essa imagem que você está vendo abaixo é a paisagem da Avenida Crozet em Genebra na Suíça. Lá, os jardins das casas da vizinhança foram transformados em hortas comunitárias, onde, todos os vizinhos podem desfrutar dos alimentos colhidos nas plantações. 

     Funciona assim: Cada família planta determinado alimento no jardim de sua casa. Posteriormente, esses alimentos são trocados por outros alimentos plantados em jardins vizinhos. Dessa forma, através da troca, o bairro se tornou uma grande horta comunitária que oferece alimentos para todos os seus moradores.
    O conceito é antigo e foi criado pelo médico alemão Moritz Schreber no século 19. No ano de 1864, durante uma campanha para aumentar o número de áreas de lazer para as crianças em alguns bairros de países na Europa, os espaços externos das casas começaram a ganhar outro uso. Foi nessas áreas que as famílias começaram a plantar  e cultivar alimentos para seu próprio consumo. Mais tarde a ideia ganhou força e países como Áustria e Suíça também aderiram.
     Hoje, em alguns países europeus, a prática do cultivo do próprio alimento é protegida por lei. Em 2003, o governo russo assinou a Lei da Horta Privada, na qual, todo cidadão tem o direito à parcelas de terra para plantio totalmente de graça.
No Google Maps você pode encontrar a horta comunitária de Genebra.


terça-feira, 19 de junho de 2018

É VERDADE QUE A COMEMORAÇÃO DA TORCIDA DO MÉXICO NA COPA DO MUNDO DA RÚSSIA PROVOCOU UM TERREMOTO?

     O Instituto de Pesquisas Geológicas e Atmosféricas do México (IIGEA) diz que sim.
     Em sua conta no Twitter, a entidade afirmou que os milhões de torcedores apaixonados fizeram a terra tremer a ponto de sensores de atividade sísmica captarem a movimentação.
"O tremor registrado na Cidade do México começou de forma artificial. Possivelmente por saltos massivos durante o gol da seleção do México no Mundial. Pelo menos dois sensores (sísmicos) na Cidade do México o detectaram às 11h32."
     Porém essa tese é contestada por muitos sismólogos.


domingo, 10 de junho de 2018

DIFERENÇA SALARIAL ENTRE GÊNEROS


CAMPANHA BRITÂNICA: NEM DIREITA E NEM ESQUERDA

      CAMPANHA BRITÂNICA PEDE QUE POLÍTICOS 
DEIXEM DE LADO A POLARIZAÇÃO

    Com ilustrações inusitadas, uma nova campanha no Reino Unido pede que políticos deixem de lado a polarização entre direita e esquerda e adotem as melhores ideias de ambos os lados. 

     Com o slogan "uma revolução está à caminho", a campanha foi lançada pela organização britânica Aliança Economia Social.

    Juntamente com a campanha, foi lançado um manifesto com 25 propostas para atingir estes objetivos, de olho na formulação de propostas e programas partidários paras as eleições gerais britânicas de 2015.

  "Existe uma corrida no mundo para tornar negócios mais produtivos socialmente e democratizar os mercados. O Reino Unido está à frente disso em muitos aspectos, mas a noção ultrapassada de direita e esquerda fazem com que nossas políticas econômicas sejam um obstáculo para este objetivo em razão do embate entre 'Estado' e 'mercado'", diz Celia Richardson, diretora da organização.

   "Os partidos devem evitar os entraves, adotando as melhores ideias – frequentemente uma combinação de 'direita e esquerda'. Os negócios podem ser um veículo de mudança social, e mercados podem ser usados em benefício da sociedade."


Acima, a ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher aparece com a famosa boina usada pelo guerrilheiro Che Guevara. (Crédito:Divulgação/Aliança Economia Social)

O ex-presidente americano Ronald Reagan ganhou a barba e os charutos característicos do líder cubano Fidel Castro. (Crédito:Divulgação/Aliança Economia Social)

O prefeito de Londres, Boris Johnson, se confunde com a imagem do filósofo alemão Karl Marx. (Crédito:Divulgação/Aliança Economia Social)

As fotos do ex-premiê britânico Winston Churchill e do líder soviético Mikhail Gorbachev também foram fundidas em uma das imagens da campanha. (Crédito:Divulgação/Aliança Economia Social)

Fonte: BBC Brasil

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...